Nova York

A deliciosa Big Apple

Nova York é daqueles lugares que você pode passar anos sem ir e, ao revisitar, é surpreendido com a quantidade de novidades que a cidade é capaz de oferecer sem afetar as suas atrações clássicas. Entre as novidades atuais, a mais desconcertante é a High Line, um parque “aéreo” instalado em uma linha de trem desativada entre o Meatpacking District e Chelsea. Trata-se de uma sucessão de jardins na altura dos telhados dos sobrados, que oferecem uma visão diferente da grande metrópole do país.
 
Já as atrações eternas continuam deliciosamente iguais: o Central Park, aproveitável em qualquer época do ano; os inesgotáveis museus (há sempre muito o que descobrir no Metropolitan, no MoMA, o Guggenheim e no Natural History Museum); edifícios como o Empire State, o Chrysler, o Federal Reserve, o Flatiron, o Rockefeller Center e o Grand Central Terminal (a grande exceção nesse quesito, as torres gêmeas do World Trade Center, estão sendo substituídas por edifícios ainda mais ambiciosos); bairros nos quais vale gastar a sola do sapato, como o Village, Meatpacking District, o Soho e os arredores de Wall Street, onde fica o memorial para o World Trade Center. Caso queira apenas tirar fotos da Estátua da Liberdade, em Ellis Island, sem entrar na ilha, faça o passeio de ferry para Staten Island (gratuito), que oferece uma bela visão de Manhattan.
 
À noite, faça sua programação com antecedência (guias como o Time Out New York são uma ótima fonte) para curtir os melhores restaurantes, bares, shows e peças de teatro da “cidade que nunca dorme”. Se estiver com crianças, não deixe de visitar o Bronx Zoo, gaste energia no Hudson River Park e os dólares na imensa loja de brinquedos FAO Schwarz. Numa viagem a dois, programe belos jantares, estique a noite no Village e faça um piquenique no recluso Empire-Fulton Ferry State Park, mais reservado que o Central Park.