Sochi

O ponto de partida para uma nova Rússia

A região de Sochi é conhecida como a “Riviera Russa” pelo seu clima mais ameno, bem como uma paisagem menos “sisuda” do que muitas outras do país, por isso é um dos principais destinos de férias dos russos, e passou a ser mais conhecida após ser sede dos Jogos Olímpicos de Inverno em 2014, pontapé inicial de investimentos pesados na área esportiva, e que deixou como legado construções exclusivas. Em 2017, o maior balneário da Rússia, banhado pelo Mar Negro e cercado pelas montanhas do Cáucaso receberá seu primeiro Grande Prêmio de Fórmula 1, e em 2018, será uma das cidades sede da Copa do Mundo. O conjunto de monumentos da cidade foi deixado como legado do colapso da União Soviética, com diversas obras de arte originais, como Âncora e Canhão, que simboliza a vitória russa na guerra de 1828-1829; o Memorial “Façanha à Vida”, dedicado aos médicos que salvaram mais de meio milhão de vítimas durante a Segunda Guerra Mundial; Churchill, Roosevelt e Stalin, estátua em homenagem aos “Três Grandes”, situada no mesmo local onde funciona um museu histórico da Segunda Guerra Mundial; As Fontes Cantantes; e o mais recente, Relógio da Contagem Regressiva Olímpica.
Além dos monumentos, a cidade também tem importantes sítios históricos, como a Dacha de Verão de Stalin, casa de campo onde o líder soviético fazia reuniões com políticos do mais alto escalão, e hoje funciona um museu com diversos objetos pessoais seus; e dois templos bizantinos, mas em mau estado de conservação - Fortaleza Godlik e Templo Loo -, construídos nos séculos 4 e 10, respectivamente. Em um dos mais belos edifícios de Sochi está o Museu de Arte, construído em 1936, e que detém a maior coleção da costa do Mar Negro, ou seja, mais de 5 mil itens de vários estilos e períodos, do antigo ao contemporâneo. O Museu Histórico de Sochi, por sua vez, abrange marcos e pessoas importantes da cidade, bem como achados arqueológicos e naturais da região; já o Honra Esportiva de Sochi está ligado ao movimento olímpico, com bandeiras e maquetes dos espaços desportivos. Na rua Zvezdnaya funciona uma galeria de arte bastante curiosa, apenas com obras em madeira (mais de 500), o Art Gallery of Wood Plastic, de um escultor local, Alexander Sobol. Com relação a atrações ao ar livre, o Park Riviera se destaca, fundado em 1898, com bares, restaurantes, centros esportivos e de lazer, como o Teatro Verde, onde está a Alameda da Amizade, com árvores plantadas por políticos famosos e celebridades.
O Dendrário é um jardim botânico, o maior da costa do Rio Negro aliás, lar de uma imensa coleção de árvores. Para chegar à sua parte montanhosa, é possível usar um teleférico, bem como contemplar uma incrível vista panorâmica das falésias e do Cáucaso. Dentro do Parque Nacional de Sochi estão atrações como o Monte Akhun, o Bosque Yew & Boxtree, um exclave da Reserva Caucasiana da Biosfera e Patrimônio da Humanidade UNESCO; as Cavernas Vorontsovka - complexo com mais de 400 no total - e Akhtyrshskaya, repleta de desenhos rupestres e outros restos primitivos; sem contar 33 cachoeiras, uma fazenda de trutas e casas do chá Dagomys Tea Plant, servido acompanhado de comidinhas e canções locais. Adler, pequeno distrito próximo a Sochi, tem outro jardim botânico, o Parque das Culturas do Sul, com mais de cinco mil espécies de plantas do mundo todo, incluindo deslumbrantes sakuras (cerejeiras), carvalhos de trezentos anos, palmeiras chinesas e flores de lótus nos lagos; além disso, Adler abriga o Parque Olímpico de Sochi, com instalações como o Estádio Olímpico Fisht, a Adler Arena e Bolshoy Ice Dome, bem como hotéis novinhos em folha construídos devido à demanda dos jogos. A uma distância de quarenta quilômetros está o megacomplexo da montanha Krasnaya Polyana: Ruski Gold Center, Laura Park, Sliding Center Sanki e Rosa Kunthor, todos conectados por 18 cable cars, alguns deles com capacidade para até 22 pessoas sentadas.