• lencois1

Maranhão

Sobre | Pacotes | DestinosSolicite um orçamento

A mistura das raças indígenas, negras e brancas está presente na culinária, no artesanato e em quase todos os aspectos da cultura popular do Maranhão.

Bumba-meu-boi, Tambor de Crioula e Caroço, Festa do Divino Espírito Santo e outras manifestações culturais fazem do Maranhão um estado turisticamente rico. Com a maior diversidade de ecossistemas de todo o Brasil, o estado é dividido em cinco polos turísticos, cada um com seus atrativos específicos:

São Luís, a capital, onde as inúmeras festas populares garantem um passeio divertido e instrutivo; Delta das Américas, paraíso ecológico repleto de rios e igarapés; Chapada das Mesas, perfeita para os adeptos de esportes radicais, com suas gigantescas esculturas naturais; Lençóis Maranhenses, o único deserto do mundo entremeado por lagoas de águas cristalinas; Floresta dos Guarás, onde exuberantes manguezais abrigam uma enorme diversidade de répteis, peixes e outros animais.

Fonte: VisitBrasil.com

Maranhão - Pacotes

  • Circuitos

Maranhão - Destinos

  • Chapada das Mesas
  • Delta das Américas
  • Lençóis Maranhenses
  • Alcântara
  • São Luis
O Parque Nacional da Chapada das Mesas protege 160.046 hectares de Cerrado nos municípios de Carolina, Riachão, Estreito e Imperatriz, no centro-sul do Maranhão.

Criado em 2005, o Parque Nacional da Chapada das Mesas é um dos mais novos parques nacionais do Brasil. Florestas de buritizais, sertões, relevo de chapadas vermelhas, compõem um estonteante conjunto de curiosas formações rochosas, cânions, cavernas e cachoeiras. São inúmeras as surpresas e aventuras que uma visita a esse parque pode revelar.

Seu nome veio por conta de seus platôs, que lembram realmente o formato de mesas de pedra. Isso se deu devido aos paredões de rocha de arenito formados há milhões de anos.

Este santuário ecológico de 160 mil hectares traz incontáveis espetáculos naturais, exemplares únicos do Cerrado brasileiro. Mas, sem dúvida, as cachoeiras e suas piscinas naturais de água cristalina com temperaturas amenas, em meio aos imensos paredões rochosos, são as grandes responsáveis pelo encanto que envolve o Parque.

As cachoeiras de São Romão, em Carolina e a Cachoeira da Prata, onde se pode praticar rappel e canionismo são as que mais se destacam por sua grandeza, mas outras atrações como o trekking até o Morro das Figuras, com inscrições rupestres e as trilhas ecológicas como a que leva até o Morro do Chapéu não deixam nada a desejar no quesito aventura.

O entorno do Parque oferece diversos atrativos imperdíveis. São trilhas que levam a incríveis cachoeiras e mirantes, praias e passeios fluviais e muita aventura. Os cenários são deslumbrantes, ótimos para fotos de natureza, caminhada e observação de aves raras, já que a vegetação do Cerrado atrai muitas aves da região, formando um verdadeiro berçário de aves.

Pedra Caída

A 35 Km de Carolina, fica o santuário ecológico de Pedra Caída, um complexo que possui uma variedade de quedas d’água, sendo que a principal delas despenca de uma altura de 46 metros. O local oferece possibilidades de praticar diversos esportes radicais desde os mais leves aos mais pesados, como passeios em veículos traçados, caminhadas, rappel e tirolesa, lembrando que a de Pedra Caída é uma das mais altas e longas do país, atingindo 1.400 metros de comprimento e cerca de 300 metros de altura. O complexo também oferece estrutura de chalés e restaurantes.

Trekking até Morro do Chapéu

O trekking até o Morro do Chapéu é uma subida de 365m em rocha arenítica e, portanto, exige preparo físico e habilidade dos praticantes. É o ponto mais alto da Chapada. Esse passeio é ainda mais interessante pelas lendas místicas que envolvem o Morro do Chapéu. Dizem que o Morro era o principal ponto dos ritos indígenas da região.

Bom saber

(Visitas e práticas esportivas só podem ser realizadas devidamente acompanhadas por guias de agências especializadas em esporte de aventura). Recomendamos roupas leves, calçados próprios (tênis para trekking), uso de protetor solar e repelente de insetos, chapéus ou bonés e consumo de bastante liquido durante as caminhadas e atividades.

Riachão

No sudoeste do Maranhão, acidade de Riachão é sinônimo de aventura. Cheia de cachoeiras, rios, trilhas e canions, a região oferece oportunidade para todo mundo se exercitar e entrar num harmonioso e emocionante contato com a natureza. As opções são diversas. Desde uma simples caminhada, passando por tirolesa e rapel. Mas a aventura maior mesmo é descobrir esse paraíso.

Reserva Natural Cachoeira do Rio Cocal

Uma propriedade privada cortada pelo Rio Cocais, onde se formam 4 cachoeiras: o Poço Azul, a de Santa Bárbara, a dos Namorados e a de Santa Paula. O Poço Azul é uma piscina natural de água cristalina e azulada que surpreende pela beleza. A poucos minutos de caminhada, fica outra preciosidade: a cachoeira de Santa Bárbara, uma queda de cerca de 75 metros de altura. Na reserva, além das cachoeiras, há trilhas que acompanham o leito do Rio Cocais, em meio ao Cerrado Maranhense.

Fonte: Secretaria de Turismo do Maranhão

Localizado a nordeste do Estado, na divisa com o Piauí, o Delta envolve a região sob influência do Delta do Rio Parnaíba, que tem setenta por cento da sua área no Maranhão. Tutóia, Paulino Neves e Araioses são os principais municípios. Deste último partem excursões turísticas para o Delta.

Delta do Rio Parnaíba
O Delta do Parnaíba é o terceiro maior delta oceânico do mundo. Raro fenômeno da natureza que ocorre apenas no rio Nilo, na África, e Mekong, no Vietnã. Sua configuração se assemelha a uma mão aberta, onde os dedos representariam os principais afluentes do Parnaíba, que se ramificam formando um grandioso santuário ecológico. Rios, flora, fauna, dunas de areias alvas, banhos em lagoas e de mar são alguns atrativos que o lugar oferece. Inesquecível!

Em Tutóia
Praias do Arpoador e Namorados.
Lagoas da Taboa, Jacaré, da Areia e Lagoinha.
Artesanato em palha, couro, coco, chifre, linha e conchas.

Em Araioses
Praias do Farol, do Caju, dos Guarás e dos Poldros.
Ilhas do Caju, dos Poldros, do Carrapato, Carnaubeiras e Canárias.
Igreja de Nossa Senhora da Conceição, do século XIX.
Cemitério indígenas Arayos, no povoado de Aldeia, a 20 quilômetros da sede.
Artesanato de palha de carnaúba (chapéus, tapetes, abanos), madeira, cerâmica, ferro e tecido.

Fonte: Secretaria de Turismo do Maranhão

Onde mais você poderia encontrar um deserto repleto de lagoas no Mundo? No Maranhão, é claro!

Os Lençóis Maranhenses ficam no litoral oriental do Maranhão e compreende os municípios de Humberto de Campos, Primeira Cruz, Santo Amaro e Barreirinhas, este último sendo o principal portão de entrada para esta fantástica beleza natural.

Seu maior atrativo, é o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, às margens do Rio Preguiças. São 155 mil hectares de paisagem deslumbrantes, cheio de dunas com até 40 metros de altura e lagoas de água doce e cristalina.

O Parque é considerado uma formação geológica rara no planeta, apresentando um ecossistema único e riquíssimo. As dunas chegam do litoral adentrando em até 25 Km da costa e as inúmeras e límpidas lagoas se formam com as chuvas do período chuvoso que vai de dezembro até abril.

A melhor época para se visitar os Lençóis é de maio até o início de outubro, sendo o ápice nos meses de junho e julho, quando as lagoas estão cheias e indicadas para mergulhos. Mas isso não quer dizer que o Parque não ofereça atrações durante os outros seis meses do ano. O convívio com a cultura e comunidades locais, entretenimento e aventura nas dunas do Parque é o que não faltam.

Lençóis é um verdadeiro paraíso natural. Sua singularidade atrai turistas do mundo inteiro dispostos a encarar caminhadas pelos areais, de se emocionar com cenários de deslumbrante beleza e se deliciar com mergulhos nas águas cristalinas. O convívio com as comunidades locais também proporciona um intercâmbio muito rico de experiências. Um espetáculo que dificilmente vai se apagar de sua memória.

Fonte: Secretaria de Turismo do Maranhão

Charme colonial onde começa a Amazônia. Alcantara é uma pequena cidade monumento localizada em plena Amazônia Legal, cercada por praias e ilhas desertas. Orgulha-se de ser a primeira cidade histórica amazônica reconhecida como Patrimônio Nacional pelo IPHAN.

O estilo colonial de seu importante conjunto arquitetônico reflete uma história de opulência e riqueza, quando Alcântara era habitada por ricos barões. Suas principais atrações podem ser visitadas a pé, em calmos passeios pelas ruas calçadas de pedra do seu Centro Histórico, passando pela Praça da Matriz, visitando a Casa da Câmara e Cadeia, o Museu Histórico e Artístico de Alcântara, a Casa do Divino e as igrejas coloniais.

Com um pouco mais de tempo, pode-se também fazer passeios de barco pelos igarapés amazônicos e visitar ilhas como a do Livramento, considerada a mais bela praia de Alcântara. De lá, é possível observar o voo dos guarás, aves de plumagem vermelha, encontradas com frequência na região.

Acesso: A maneira mais fácil para se chegar a Alcântara é por meio da travessia da Baía de São Marcos, que separa a Ilha de São Luís e a cidade histórica de Alcântara. A travessia é feita por lanchas e catamarãs, que, de acordo com a tábua das marés, partem diariamente do terminal hidroviário da Praia Grande, que fica no Centro Histórico de São Luís.

Fonte: Secretaria de Turismo do Maranhão

Passear pelo Centro Histórico de São Luís e conhecer a história de cada beco e dos muitos casarões históricos é uma experiência encantadora. Além de propiciar uma viagem no tempo, o passeio nos traz a certeza da beleza e do charme dos 4 mil casarões, distribuídos por mais de 220 hectares, tombados como Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco desde 1997. Os casarões seculares, em sua maioria, revestidos de azulejos portugueses pintados à mão, compõe um dos mais importantes conjuntos arquitetônicos de essência portuguesa ainda preservados da América Latina.

Formado pelos bairros da Praia Grande e Desterro, a região concentra hoje, museus, centros de cultura, teatros, cinema, bares, restaurantes, feiras e uma infinidade de lojas de artesanato. Estão ali também, praças, becos, escadarias, ladeiras e algumas das mais belas ruas da parte histórica da cidade, como as Ruas Portugal e do Giz e o Largo do Comércio.

O Palácio dos Leões, sede do governo estadual, a Catedral da Sé, os palácios Episcopal, La Ravardiére e Cristo Rei, o Teatro Arthur Azevedo, entre muitos outros são um prato cheio para quem adora se perder na história dos anos de ouro de nosso país. Construídos pelos senhores que comandavam a produção de algodão na região, os solares e sobrados representam o apogeu econômico da cidade.

Neste belíssimo cenário, a culinária também é atração. Não tem como não se deixar seduzir pelos sabores regionais do imperdível arroz de cuxá, da caldeirada de camarão e frutos do mar, dos sucos de bacuri e cupuaçu, além do tradicional doce de buriti. Foram tantos os temperos e influências de europeus, índios, africanos e outros povos, que a culinária maranhense só poderia dar no que deu: uma conjunção exuberante, inigualável de sabores e receitas.

Mas nosso cardápio vai muito além das combinações mais famosas e é difícil dizer qual dos pratos típicos melhor satisfaz o paladar exigente de maranhenses e turistas. Os sucos e iguarias como os doces de espécie típicos de Alcântara e os doces cristalizados, em massa ou calda, à base de frutas regionais, como caju, buriti, bacuri, jaca e abacaxi são facilmente encontrados nas lojas de artesanato e culinária espalhados pelo Centro Histórico, oferecendo a todos uma experiência gastronômica verdadeiramente única.

Fonte: Secretaria de Turismo do Maranhão